A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) está a acompanhar a situação de Pandemia pelo COVID19 e, partilhando a justeza das preocupações que assolam a população portuguesa, manifesta a sua total disponibilidade para colaborar com as organizações públicas e com as suas confederadas neste combate tão exigente, mas que está a mostrar ter “soldados” motivados para vencer esta “guerra”.


Neste sentido:


- Apresentamos o nosso apoio e reconforto aos familiares dos que já pereceram e desejamos que não se deixem abater pelo desânimo;


- Prestamos profunda gratidão ao pessoal da saúde pela sua heróica dedicação e que saibam ter o total apoio dos voluntários portugueses. A Confederação apela ao Governo português que faça tudo para que não faltem condições de trabalho nos hospitais e centros de saúde;


- Dizemos aos que já foram ou venham a ser afetados pelo vírus: saibam que não estão sós na luta pela recuperação da saúde. A CPV está a trabalhar para que se possa garantir que os mais vulneráveis contem com a ajuda do voluntariado;


- Regozijamos-nos pelas iniciativas solidárias, muitas delas suscitadas por voluntários, desejando que a espontaneidade não perverta a identidade, idoneidade do voluntariado nem ignore a legislação em vigor ou as medidas implementadas pelas autoridades;


- Precisamos que o Governo facilite a ação dos voluntários, nomeadamente apoiando as organizações enquadradoras de voluntários para que possam assegurar o seguro exigível por Lei aos que, neste tempo de emergência, se disponibilizem a colaborar;


- Vamos, à medida das necessidades, apresentar propostas de ações de voluntariado com o apoio das confederadas que a ele vierem a aderir e procurar a colaboração das Juntas de Freguesia, das Câmaras Municipais e das autoridades competentes. Estas propostas serão de prevenção e proteção;


- Apelamos para que a população portuguesa cumpra todas as normas preventivas que são emanadas pelas autoridades de saúde. É que esta pandemia está a deixar evidente que dependemos, inevitavelmente, uns dos outros.


A CPV quer deixar a sua convicção de que, por muito difíceis que sejam as lutas a travar, o triunfo será nosso.


Sejamos solidários em tudo e com todos!



Pela Direção da CPV

Eugénio José da Cruz Fonseca



(Crédito: www.sns.gov.pt)


A Cáritas Portuguesa, confederada da CPV, continua a apoiar Moçambique através de duas frentes de apoio complementares, quer na sequência da campanha ‘Cáritas Ajuda Moçambique’– lançada em março de 2019 –, quer na participação no terreno, em coordenação com a rede internacional Cáritas e com o apoio de voluntários locais.


A Cáritas Portuguesa faz parte do conjunto de organizações que viu aprovadas as candidaturas ao apoio do Governo português, através do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, para dar continuidade à reconstrução do país após a passagem dos ciclones Kenneth e Idai.


Esta candidatura corresponde a uma parceria que junta a Oikos Portugal, a Cáritas Portuguesa, a Cáritas Moçambicana e a ADPM – Associação de Defesa do Património de Mértola, que vão trabalhar em Sofala e em Cabo Delgado, em Moçambique, no apoio à recuperação do setor agrícola, como forma de contribuir para a segurança alimentar das populações mais afetadas pelos ciclones.


Desde que ocorreu o ciclone Idai, a Cáritas Portuguesa está a acompanhar diretamente o trabalho de apoio e recuperação, em resposta ao apelo de emergência lançado pela Cáritas Moçambicana, através da Caritas Internationalis, desde logo, nos primeiros dias, com um donativo de 25 mil euros, do seu Fundo de Emergências Internacionais, que foi aplicado na distribuição de alimentos e água. Esta resposta da Cáritas Portuguesa inclui o apoio às vítimas das cheias e do ciclone, não esquecendo, assim, que a situação desta população era já de fragilidade e que a Cáritas estava já no terreno para lhe prestar apoio.


Da esq. para a direita: Drª Antónia Coutinho, Drª Ana Godinho, Prof. Eugénio Fonseca

A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV), nascida a 19 de janeiro de 2007, promoveu uma sessão comemorativa do seu 13º aniversário, ontem, 21 de janeiro, que teve como anfitriã a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.


O encontro, que reuniu cerca de seis dezenas de participantes, representando organizações confederadas e outros convidados, designadamente a direção da CASES – Cooperativa António Sérgio para a Economia Social, a entidade que, em nome do Estado, tem, entre outras, a responsabilidade da promoção do Voluntariado.


A sessão de abertura teve a presença e intervenções da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho – que esteve acompanhada da secretária de Estado da Ação Social, Rita Mendes –, além do presidente da CPV, Eugénio Fonseca, e da representante do diretor da faculdade, Antónia Coutinho.


Para além das palavras de apreço e de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pela CPV neste 13 anos, foi vontade manifesta da ministra Ana Mendes Godinho a colaboração estreita com a CPV, designadamente no que à revisão da legislação sobre o Voluntariado respeita, além de áreas como a capacitação dos atores desta forma de intervenção cívica.

Os trabalhos desta comemoração incluíram ainda a apresentação do projeto ‘VolunCET’

(Volunteer Coordinators Education and Training), um curso de formação em e-learning para

gestores e coordenadores de voluntários, agora completamente adaptado à nossa realidade portuguesa, neste domínio, e que ficará disponível no dia 1 de fevereiro. A apresentação foi feita pela coordenadora do grupo de trabalho 1 da CPV – Formação, Investigação e Produção de Conhecimento, Olga Cunha, responsável pela adaptação.


A aposta da CPV nas questões da comunicação, para uma mais eficaz e eficiente ação

voluntária, foi motivo para uma intervenção pedagógica da CEO da Wisdom Consulting (uma empresa de comunicação com experiência colaborativa com o 3º setor), Domingas Carvalhosa, que falou sobre ‘Comunicação e Voluntariado’.


Ainda dentro desta linha, foram apresentadas novas ferramentas comunicacionais da CPV,

nomeadamente o novo site e a nova newsletter – apresentados pelo gestor de projetos da

CPV, André Chagas –, e os novos folhetos sobre a CPV, o curso VolunCET e o Selo de Qualidade Join4Change em Gestão de Voluntariado, distribuídos aos presentes, além de um novo roll-up genérico – apresentados pela vice-presidente da CPV, Susana Queiroga –.


As comemorações encerraram com um Porto de Honra, proporcionando um momento de

convívio entre os presentes.


Apresentação do tema "Comunicação e Voluntariado"